25 °C São Paulo, BR
29 de novembro de 2020

Suzuki Virus 1000 R uma super naked

Você provavelmente já encontrou uma foto da Suzuki Virus por aí, mas nenhuma como essas que trazemos agora, uma preparação em busca do melhor desempenho para uma supernaked sem igual.

Suzuki Virus
Foto: Motciclismo.es

Não faz muito tempo, a lendária Suzuki GSX-R 1000 passou por uma tremenda reformulação interna e externa. Em 2017, seu ano de estreia com nova configuração, ela conseguiu conquistar o Troféu Turístico da Ilha de Man – TT Isle of Man com Michael Dunlop pilotando, algo que deixou muito claro o nível da superbike japonesa. A moto também deixou uma impressão muito boa em Sergio Romero, quando ele pôde testá-la na apresentação organizada pela Suzuki em Phillip Island.

Um ano depois, totalmente imersa no mundo das supernakeds, a Suzuki Suíça apresenta um kit de preparação para colocar no mercado uma motocicleta que faz muita falta no catálogo da marca. Foi a Suzuki Virus, uma supernaked que, por desempenho e imagem, entrou em concorrência direta com máquinas como KTM Super Duke 1290 R, Yamaha MT-10 ou Aprilia Tuono V4 1100. Sim, é verdade que a marca de Hamamatsu já comercializa a GSX -S 1000 neste segmento (que herdou o motor do GSX-R 2005), mas em termos de desempenho está um pouco atrás das suas rivais neste segmento

A Suzuki Virus foi apresentada na feira mais importante do país, a Swiss-Moto, e imediatamente chamou a atenção de toda a comunidade, vendendo seus primeiros kits. A modificação, no entanto, concentra-se na aparência exterior da moto. O semi-guidão original, que ficava abaixo da linha do banco, é substituído por um guidão alto e relativamente largo, e também perde a carenagem para ficar com a aparência naked, além de perder os painéis de carenagem lateral e ganhar uma nova máscara frontal inspirada nas linhas da GSX-R. Em 2019, longe de abandonar o projeto, eles continuam a aprimorá-lo com um guidão Montacc, iluminação LED etc … uma lista dos componentes da mais alta qualidade para obter a melhor dessa Suzuki naked.

Suzuki Virus
Foto: Motciclismo.es

O projeto da Suzuki Virus agrada e, em pouco tempo, várias empresas do setor apareceram com novidades em equipamentos para ela, sabendo que o resultado seria uma motocicleta que atrairá muita atenção em todas as plataformas. Assim, empresas como Lightech, Akrapovic, Thyssenkrupp, Ilmberger Carbon, Magura ou HEL entram no jogo e cada uma coloca o melhor de seu catálogo, jogando mais lenha na fogueira da Suzuki Virus.

O primeiro passo é, obviamente, obter um Suzuki GSX-R 1000 R. A seguir encomende um kit “Suzuki Virus” da Suzuki Suíça, que funciona sem problemas e chega rapidamente aos países vizinhos (não temos informações sobre envio ao Brasil). Em apenas algumas horas de trabalho, a superbike vencedora do TT em 2017 vai se tornar uma fera sem carenagem.

No que diz respeito à eletrônica, nenhuma alteração importante é feita na Suzuki Virus, pois será necessário manter o uso “de rua” dela. Obviamente, é investido na melhoria da frenagem com mangueiras metálicas HEL e na instalação de uma bomba de freio radial Magura HC3. Além disso, os discos de freio originais são substituídos pelo Disco de Corrida Moto-Master Halo T-Floater 6.0, usado por algumas equipes no campeonato mundial de Superbike.

Para tornar a postura de condução mais suportável, os apoios para os pés originais são substituídos pelos apoios Lightech, que permitem a “desradicalização” da posição original dos pés, mantendo uma aderência perfeita com a bota. Os protetores laterais, a alavanca da embreagem e a proteção de fibra de carbono do mesmo fabricante são montados na moto.

Suzuki Virus
Foto: Motciclismo.es

Por último, mas não menos importante, um grande compromisso é feito com a fibra de carbono. A Ilmberger é responsável pela proteção do chassi, do braço oscilante e do cárter. Além disso, são montadas rodas de fibra de carbono da empresa alemã TKCC, que oferecem uma redução significativa de 2 kg em peso em comparação com as de alumínio originais, em um ponto chave para o comportamento da motocicleta. Como se isso não bastasse, o ex-campeão do campeonato alemão de superbike, Martin Bauer, especialista em suspensões, é o responsável pela aposta no ajuste perfeito do garfo dianteiro e do amortecedor traseiro.

A motorização não foi modificada para não comprometer sua confiabilidade, mas um escape da Akrapovic foi montado, subtraindo 1,3 kg de peso e melhorando levemente o torque e a potência máxima.

O resultado é uma motocicleta que, apesar de ter suavizado algumas de suas características, ainda se comporta como uma máquina de alto desempenho, com incrível agilidade para conectar curvas e uma incrível facilidade de tirar a roda do chão na terceira ou quarta marcha se você acelerar forte.

Nesse momento, você se perguntará, com toda a razão do mundo, se são necessários mais de 200 cv em uma motocicleta sem nenhuma proteção aerodinâmica. A resposta varia entre os pilotos, mas a verdade é que motocicletas como a espetacular Ducati Streetfighter V4 recebem todos os tipos de elogios.

E você, gostaria de ver algo assim levado para a produção em série?

Veja mais fotos aqui!

Artigos Interessantes

Suzuki V-Strom 250 apresentada hoje na China

Foi apresentada hoje, na China, a nova Suzuki V-Strom 250, a primeira da “família” no segmento das trail de média cilindrada. Ela chegou de surpresa e foi apresentada oficialmente de uma forma inesperada no Salão de Moto China, um país onde a marca japonesa já antecipou outros modelos, mas nenhum tão importante como esta nova […]