21 °C São Paulo, BR
21 de outubro de 2020

YAMAHA E SEU LEGADO NO DAKAR

Foi fascinante ver a coleção de motos participantes do Rally Dakar da Yamaha no recente show Motorcycle Live, realizado no Reino Unido em 2019. Foi uma oportunidade para acompanhar a evolução das motos do Dakar.

Foi muito oportuno por parte da Yamaha oferecer um rápido vislumbre do desenvolvimento de suas motos ao longo dos anos desde o Rally Paris-Dakar inaugural em 1979. Não foi uma coleção completa que vimos no Motorcycle Live no Reino Unido, mas havia muito para ver e apreciar.

1982 YAMAHA XT550 RALLY

Esta é a primeira Yamaha de competição do ano de 1982, pilotada por Serge Bacou (sete vezes campeão francês de motocross). Ele ficou em segundo lugar em 1981 no primeiro Dakar e claramente grandes coisas eram esperadas no ano seguinte. E Bacou começou bem, vencendo a primeira etapa africana. Foi em algum lugar ao sul da Argélia que tudo desandou, quando Bacou cometeu um erro de navegação e se perdeu no deserto, longe do rali. Ele passou três dias e três noites esperando o resgate, com muito pouca água e sem comida. Estava abaixo de zero à noite e ele não tinha abrigo no meio deserto. Desidratado e alucinado, e já sendo considerado morto, ele acabou atraindo a atenção de um veículo do exército, usando sinalizadores. Na verdade, foi apenas com seu terceiro e último sinalizador que o veículo o avistou. Implacável, Bacou voltou ao rali, terminando em quinto lugar em 1983. Bacou continuou a pilotar no Dakar até 1989, registrando quatro resultados entre os dez primeiros colocados.

1987 YAMAHA FZT900

O Rally Dakar de 1987 deu início a uma nova era, após a trágica morte do fundador Thierry Sabine em um acidente de helicóptero na edição do ano anterior. Os tempos estavam mudando – e as motos, principalmente, à medida que os fabricantes estavam melhorando muito seu equipamento. As motos de trilha mais simples, dos primeiros anos do Dakar deram lugar a motos especiais de rali. E, em resposta aos avanços feitos pela BMW e Honda, a Yamaha chegou à edição de 1986 com uma moto de quatro cilindros baseada na superbike FZ750 da Yamaha. É claro que aquele motor não era suficiente e foi ampliado para 911 cc para as corridas de rali. Em 1987, Serge Bacou pilotou esta moto, para chegar em 7º lugar na geral. Os registros históricos de Dakar parecem ser um pouco imprecisos, então Bacou e Gaston Rahier são creditados com a vitória da etapa final naquele ano. De qualquer forma, este monstro de 200 quilos deve ter proporcionado uma experiência emocionante.

1991 YAMAHA YZE750T

Quatro anos depois e a Yamaha reconsiderou sua estratégia, protótipos malucos não eram o caminho a seguir. Tendo procurado o sucesso com os monocilíndricos de 680 e 750 cc, seu próximo passo foi tentar um bi cilíndrico. Em 1989, a Yamaha lançou seu “twin” paralelo na Super Tenere 750cc e fazia sentido para os pilotos do Dakar que a moto de competição se baseasse nesta unidade. Claro, altamente modificado. O motor de competição era de 800cc produzindo cerca de 75cv. Foi um enorme sucesso, conquistando as três posições do pódio em 1991 e trazendo o ex-campeão mundial de enduro Stephane Peterhansel à primeira de suas seis vitórias no Dakar – todas garantidas pelos modelos derivados da Yamaha Super Tenere.

2004 YAMAHA WR450F 2-TRAC

Depois de uma ausência notável do rali durante cinco anos, a Yamaha voltou à competição em 2004, não apenas com uma nova geração de motos de rali, mas também com uma inovação técnica única. A Yamaha Motor France inscreveu o ex-campeão mundial de enduro David Fretigne com algo como um precursor da moderna moto de rali de 450 cc. Eles entraram na competição com um modelo de enduro WR450F com o sistema de tração nas duas rodas desenvolvido pela Yamaha / Ohlins 2-Trac (que fornecia tração à roda dianteira por meio de um sistema de corrente e acionamentos hidráulicos). A 2-Trac tornou-se instantaneamente competitiva e contra as motos de rali de maior cilindrada (660cc), Fretigne venceu a etapa de abertura e mais duas a caminho do 7º lugar na geral. Em 2005 ele voltou novamente com o 2-Trac e venceu mais duas etapas para ficar em quinto lugar na geral (ambos os anos sendo o primeiro na categoria 450cc) e em 2006 ele venceu mais uma etapa para terminar em 13º.

YAMAHA WR450F 2-TRAC

2019 YAMAHA WR450F RALLY

O modelo atual é a Yamaha WR450F Rally 2019, pilotado por Adrien Van Beveren. Tal como acontece com o WR450F de Fretigne de 2004, não é tão diferente de uma máquina de enduro padrão. Enquanto o modelo Rally da KTM usa um quadro de treliça exclusivo desenvolvido especialmente para ralis, a moto da Yamaha mantém-se fiel às suas raízes de enduro, com uma modificação no ângulo de cáster de direção e um braço oscilante 2 cm mais longo para se adequar, enquanto a capacidade de combustível de 33 litros é alcançada com uma moldagem inteligente dos tanques em torno da estrutura de liga da WR. O equipamento de navegação hoje em dia é montado em uma “torre” de fibra de carbono, substituindo as estruturas de alumínio do passado. Como antes, com modelos quase idênticos dessas máquinas (réplicas de rali) estão disponíveis para compra por pilotos privados.

Artigos Interessantes

Novidades da Honda África Twin 2018

Pode não ser a novidade mais esperada do show de Milão, mas a África Twin 2018 deve ter algumas características novas para apresentar ao público já no início de novembro. Especificamente, um novo painel e novas rodas com aros para pneus sem câmaras. Sem dúvida, a estrela da gama de produtos Honda desde o seu […]

Yamaha Ténéré 700 Rally Edition

Yamaha Ténéré 700 Rally Edition

Inspirada nos pilotos lendários e nas icônicas máquinas da Yamaha que fizeram do Rally Paris Dakar a maior corrida do mundo, a Ténéré 700 Rally Edition presta homenagem aos heróis que conquistaram o deserto. Seu acabamento possui um esquema de cores azul e amarelo como as clássicas motos da Yamaha. Esta adventure bike de alta […]