Tudo sobre o Mal da Altitude no motociclismo

Se você está planejando – corretamente – uma viagem para regiões cuja altitude supera os 2.400 m.s.n.m. (metros sobre o nível do mar) – como o Atacama, Bolívia, Peru, etc. – já deve ter lido algo sobre o famoso “Mal da Altitude” ou “Soroche” (ou “puna”,”Mal da Montanha”, AMS-Acute Mountain Sickness, etc). OK, até aí tudo bem! Você já sabe que, em quem não está acostumado às condições atmosféricas das grandes altitudes, o organismo sente o impacto da mudança de altitude. A freqüência respiratória aumenta, a freqüência cardíaca se acelera e num período variável de adaptação podem surgir sintomas como respiração curta, dores de cabeça, náusea, vômitos, tontura, insônia,  perda de apetite  e até desmaios.

E claro, para nós ainda existe o risco de sentir os sintomas acima pilotando uma motocicleta. O que por si só já é perigoso, eventualmente pode vir a ser fatal. Porém, fique calmo que existem atitudes e medicamentos para aliviar e diminuir os efeitos do Soroche, e até mesmo evitá-los.

Via de regra, os sintomas do Mal de Altitude só começam a aparecer a partir dos 2.400 m.s.n.m. (em 15% das pessoas), sendo sentidos com mais frequência à partir dos 3.600 m.s.n.m. (60% das pessoas) e à partir dos 5.000 m.s.n.m. quase todas as pessoas tem algum dos sintomas relatados.

Abaixo iremos listar algumas informações importantes para que você esteja bem informado sobre essa condição e consiga minimizar os riscos do surgimento de sintomas ou aprenda a combatê-los.

Comportamentos preventivos

A melhor maneira de evitar o Soroche é subir lentamente, levando dois dias para chegar aos 2500 m.s.n.m. e um dia mais por cada 300 m adicionais (só que no nosso caso, viajando de moto, nem sempre isso é possível);

Um bom condicionamento físico pode ajudar, mas não garante que a pessoa venha a sentir-se bem nas grandes altitudes. É aconselhável evitar a atividade física intensa durante pelo menos dois dias depois de chegar ao local de destino;

Na altitude, principalmente em regiões de clima seco como a Bolívia ou o Atacama, perdemos muito líquido. Fique de olho na hidratação, sempre. Recomenda-se a ingestão de 3 a 4 litros de água diariamente nessas condições. Tenha sempre uma garrafa de água com você.

Alimente-se constantemente de alimentos abundantes em carboidratos e calorias mas ainda assim, leves. Dê preferência para castanhas, nozes e chocolates. Evite refeições fartas e pesadas.

Mantenha seu corpo aquecido porque a perda de calor implica em um gasto maior de calorias por parte do corpo para manter a temperatura e isso pode ser prejudicial. Apenas por curiosidade, saiba que a cada 1.000 metros subidos, a temperatura decresce – em média – 6,5°C

Atenção: não consuma álcool ou fume. Álcool desidrata e pode provocar mais tonturas e náuseas. O cigarro vai te atrapalhar ainda mais a respiração.

Medicamentos e outras substâncias

Antes de escrever sobre medicamentos, queremos deixar um alerta: não use nenhum medicamento sem a indicação de um médico. Cada ser humano possui uma reação distinta aos medicamentos e seu uso, sem conhecimento do seu médico, pode vir a se mais prejudicial do que benéfico. Não estamos aconselhando, prescrevendo ou indicando NENHUM dos medicamentos abaixo, este texto tem apenas caráter informativo. Vamos a eles:

Preventivos

Diamox® (Acetazolamida): recomenda-se a ingestão de 125mg 2 vezes ao dia (a cada 12 horas) um dia antes da saída para a altitude e segue até o segundo ou terceiro dia, na altitude. Essa substância é um diurético, que acidifica o sangue, fazendo com que respiremos mais rápido, facilitando na adaptação. A acetazolamida não mascara os sintomas, apenas minimiza. Por ser diurético, você vai precisar ir ao banheiro mais vezes portanto fique mais atento ainda a sua hidratação. Alérgicos a sulfa não podem tomá-lo.  Nota da redação: nossa equipe fez uso desse medicamento em uma viagem para a Bolívia e Peru, quando pudemos constatar a eficácia do medicamento. Também possuímos relatos de outros amigos com experiências favoráveis com o Diamox®

Decadron® (Dexametasona): a literatura recomenda o uso de 4mg de Dexametasona, de 12/12h no dia da viagem e no primeiro dia na altitude (não recomendamos o seu uso sem supervisão especializada). A dexametasona, ao contrário da acetazolamida (Diamox®), mascara os sintomas, ou seja, você vai sentir-se bem, mas não ajuda na adaptação à altitude. Nota da redação: nossa equipe nunca fez uso desse medicamento nem tem relatos de amigos que tenham feito.

Paliativos

Ibuprofeno (Alivium, Dalsy, etc.) alívio para dor de cabeça: 600mg de 8/8h é normalmente a primeira escolha. Paracetamol (Tylenol) e AAS também podem ser usados. Nota da redação: o Ácido Acetil Salicílio (AAS, Aspirina, etc) “afina” o sangue e dificulta a coagulação em caso de acidente, portanto não recomendamos que motociclistas façam uso de medicamentos desse tipo.

Plasil® ou  Motilium® podem ser usados para náuseas ou vômitos. Evite o Dramin® pois ele causa sono,  e durante o sono a frequência respiratória diminui e pode piorar a falta de ar.

mal-da-altitude-sorochi-pills

Sorojchi Pills® é o medicamento mais conhecido lá fora (Peru) para combater o Mal da Altitude, temos informação de que a Cibalena-A® seria o equivalente nacional das famosas Sorojchi Pills, possuindo composição semelhante. Nota da redação: ambos os medicamentos acima possuem o Ácido Acetil Salicílio em sua composição portanto não recomendamos que motociclistas façam uso destes medicamentos.

mal-da-altitude-oxishot

Oxishot® é um tubo pequeno com 8 litros de oxigênio puro que é encontrado em todas as lojas de Cusco (Peru) e região. Tem tamanho pouco superior ao de uma garrafa de 600 ml e pode ser levado com você para consumo. Nota da redação: como nunca fizemos uso do produto não sabemos se existem restrições de segurança para transporte nas motocicletas, melhor se informar antes de adquirir.

mal-da-altitude-coca-candy-bala-de-coca

Balas de Coca – ao contrário das folhas in natura, que tem um gosto amargo, as balas de coca (caramelos de coca) tem gosto adocicado de mel e as mesmas propriedades. E são beeemm mais agradáveis de consumir do que as folhas. Nota da redação: como nunca fizemos uso do produto com finalidades terapêuticas.

mal-da-altitude-cocaina-folha-de-coca

Chá de Coca – a primeira pergunta que costumam fazer é “dá barato?”, não não dá. A diferença entre a planta Coca e a droga Cocaína é enorme, pode tomar o chá sem medo. Nota da redação:para fins medicinais procure o chá de Coca natural pois existe um industrializado, cujos benefícios ainda não foram confirmados (assim dizem os moradores locais).

Não use medicação para dormir (Diazepam ou equivalentes), pois esses remédios causam diminuição da frequência respiratória, e na altitude isso pode até mesmo ocasionar uma parada respiratória.

Não custa lembrar que se você possui qualquer tipo de condição clínica limitante (hipertensão, dibetes, etc.), consultar o seu médico de confiança antes da viagem é obrigatório. Informe-se de possíveis problemas de saúde resultantes de sua condição e da viabilidade ou não de sua viagem para altitudes elevadas.

Em última instância, a solução para se livrar do Mal de Altitude é simples: descer a altitudes inferiores a 2.500 m.s.n.m., porém analise se você tem condições de pilotar sua motocicleta antes de optar por essa solução. Se possível, não faça essa descida sozinho e peça para um companheiro de viagem acompanhar você.

Nossa última dica é: sempre que for viajar para locais com grande altitude, quando estiver traçando o seu roteiro, seja mais detalhista do que de costume. Procure analisar a altitude das cidades onde irá pernoitar, além da distância entre elas. Verifique a possibilidade de fazer, ao menos, o pernoite em altitudes gradualmente mais altas. Evite subir muito e muito rápido.

Nunca subestime o Mal de Altitude, seus efeitos pode ser perigosos, principalmente pilotando uma motocicleta. Em 2013, durante a Expedição Inca, percorremos o trecho entre San Salvador de Jujuy (norte da Argentina) e La Quiaca (fronteira da Argentina com a Bolívia). Nele você irá subir mais de 2.100 metros, percorrendo apenas 285 km (já que S.S.Jujuy está em 1.260 m.s.n.m e La Quiaca em 3.442 m.s.n.m.). Resultado? Dois dos quatro motociclistas desmaiaram por conta dessa diferença de altitude. Ainda bem que foi fora da moto senão poderia ter sido algo muito grave.

Em resumo: planeje bem seu roteiro, prepare bem seu corpo, consulte seu médico se achar que deve utilizar medicamentos e pronto. Muita gente encara grandes altitudes sem se preparar antes e, mesmo assim, faz uma viagem legal. Imagine se tivesse se preparado.

Se quiser saber mais:
https://br.pinterest.com/pin/510595676472669748/

Referências:
http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/perguntas_respostas/altitudes/index.shtml
http://www.viajenaviagem.com/2014/06/mal-de-altitude-soroche-sintomas-como-combater
http://www.mochileiros.com/soroche-mal-de-altura-ou-mal-da-altitude-t24338.html
http://www.medicinanet.com.br/
http://pt.wikipedia.org/
http://www.manualmerck.net/?id=308

Comentários

Comentários

2017-06-05T04:30:40+00:00 Destaque, Dicas Legais|