A Royal Enfield construiu sua primeira motocicleta em 1901. Seu modelo Bullet é conhecido por ser a motocicleta produzida continuamente a mais tempo no mundo, e um dos seus modelos mais bem sucedidos.  A venerável empresa de munições e motocicletas, antigamente era uma lenda britânica, mas agora é uma subsidiária indiana do gigante automotivo Eicher Group, e sempre teve problemas para atrair compradores norte-americanos.

Apesar dos meios de comunicação apreciarem seus clássicos modelos Classic, Bullet e Continental GT – e receber atenção substancial da mídia especializada – a empresa tem sido prejudicada pela baixa visibilidade e uma rede limitada de revendedores. Com o modelo recém-introduzido Himalayan, a Royal Enfield está indo atrás do mercado de “motociclismo de aventura”. Atualmente um dos nichos de mais rápido crescimento no mundo de motocicleta dos EUA e no mundo.

Esta focada na busca do piloto de aventura que não quer o tamanho, o peso e o preço das motos de grandes cilindradasdas marcas líderes do segmento como o BMW R1200GS, Ducati Multistrada 1200, Yamaha Super Ténéré e Honda África Twin, por exemplo,

É um esforço nobre, diga-se de passagem. A Himalayan é compacta e leve, com uma altura de assento baixa e boa ergonomia, o que torna a moto fácil de ser pilotada. Como sua irmã Enfields, é retro elegante e simples no projeto.  A moto é alimentada por um novo motor de 411cc, de cilindro único refrigerado a ar, e que produz 25hp de potência e 4,4 kgfm.

Isso não é muito, mas é potência suficiente para conduzir a Himalayan facilmente a 105 km/h em um passeio pela Santa Clarita’s Sierra Highway, e torque suficiente para fazer um passeio off-road no Rowher Flat OHV Park, deixando a moto totalmente sob controle – o que muitas vezes motos com motor maior e mais potente às vezes não são.

Essa potência é conduzida por uma corrente para a roda traseira por uma transmissão manual de cinco velocidades. O motor foi alimentado por um carburador tradicional, no modelo de pré-produção que eu montei, embora as motos entregues para venda terem injeção eletrônica de combustível.

Como indica o “tamanho” do motor, a Himalayan é uma máquina de médio porte e de peso médio. Possui uma altura de assento 80 cm e pesa 181 kg totalmente abastecida – mais de oito centímetros mais curta e 45 quilos mais leve do que a África Twin.

Montada em pneus traseiros de 17 polegadas e dianteiros de 21 polegadas, e equipada com guidão alto, a Himalayan tem uma sensação confortável de pilotar sentado ou de pé. A moto tem um pequeno para-brisas que oferece alguma proteção contra intempéries e setas auto canceláveis ​​- embora eles não se auto cancelaram na unidade de pré-produção que eu pilotei. Os porta-bagagens são uma opção de pós-venda. Para o uso off-road, é equipada com rodas raiadas e defesas elevadas, armadura do metal para proteger o tanque de gasolina e até mesmo uma bússola. As borrachas da pedaleira saem fora para expor as estacas de metal, apropriadas para o uso off-road e obrigatórias para uma motocicleta com aspirações de aventura.

Pilotos que sonharam em cruzar as passagens altas da Índia, como eu, serão muito atraídos pela ideia da Himalayan. Finalmente, nós dizemos uma motocicleta que seria divertimento puro pilotar nas passagens de montanha da Índia e que são anunciadas como as estradas mais elevadas do mundo.

Na realidade, esta versão pré-produção da Himalayan que eu testei tinha alguns problemas.

Embora a moto possua um vão livre do chão de 23 centímetros, a suspensão é rígida, desajeitada e não ajustável. As pedaleiras estavam ajustadas demasiadamente estreitas ou o tanque de combustível e o assento são muito largos para a pilotagem de pé confortável – e a maioria das situações fora-de-estrada requer essa postura para manter a estabilidade.

Mais preocupante, ao contrário de quase todas as motos modernas, as pedaleiras são soldadas ao quadro. Isso significa que, se uma delas quebra em uma nova não pode simplesmente ser parafusada sem a ajuda de um soldador.

Além disso, as pedaleiras dobram-se de forma bastante relutante quando sofrem um impacto – o que não ocorre com a maioria das motos – o que as torna mais vulneráveis ​​a quebrar. (O piloto também fica vulnerável, e eu ofereço um belíssima hematoma em minha perna como prova.)

A Himalayan também vem faltando protetores para os punhos, o que significa que não protege as mãos contra o vento, o tempo ou pequenas pedras.

Esta Royal Enfield, que estará nas concessionárias este ano, chega em um bom momento. Um número de fabricantes de motocicletas prevê o crescimento do segmento de aventura, através da introdução de motos de aventura menores, entre elas BMW 310cc GS, Kawasaki 300cc Versys, Honda 250cc e África Twin 250cc Rally e Suzuki 250cc V Strom.

Existe um interesse claro no mercado. Eu encontrei incontáveis motociclistas ​​que expressam o excitamento sobre o motociclismo de aventura, mas que esbarram no tamanho, no peso e no preço das máquinas tradicionais e maiores.

Aqueles potenciais compradores de moto serão atraídos para a Himalayan, especialmente se ela vier com um preço atraente. A Royal Enfield ainda não definiu o preço final, mas diz que será “consistente com nossos modelos existentes”, o que significa que pode ser tão baixo quanto $ 4.999 por uma Bullet e tão alto quanto $ 5.999 por um modelo Continental GT. A Royal Enfield vendeu cerca de 675 mil motocicletas em todo o mundo em 2016, de acordo com Rod Copes, presidente da Royal Enfield North America. Apenas 450 delas foram vendidas na América do Norte.

Autor: Charles Fleming
Tradução Livre: Equipe TNE

Fonte: latimes.com
Fotos: royalenfield.com

Assista aos dois vídeos da moto em ação e inscreva-se no nosso canal do Youtube

Comentários

Comentários